quinta-feira, 29 de julho de 2010

Cefaléia Crônica Diária

01. O que é cefaléia crônica diária?

É uma dor de cabeça que ocorre todos os dias ou quase todos os dias (pelo menos 15 dias por mês) por mais de 3 meses.

02. Qual a frequência dessa cefaléia na população?

Estudos epidemiológicos apontam que 3 a 5% da população adulta mundial sofre de cefaléia crônica diária importante o suficiente para causar algum tipo de incapacidade. Cefaléia crônica é a segunda causa mais comum de consulta neurológica ambulatorial, perdendo apenas para os transtornos do humor, como depressão e ansiedade.

03. Quais são os tipos de cefaléia crônica diária?

Existem quatro formas mais comuns de cefaléia crônica diária: enxaqueca transformada, cefaléia tipo tensão crônica, cefaléia nova diária e persistente e hemicrânia contínua. Sem dúvida nenhuma enxaqueca transformada e cefaléia tipo tensão crônica são as mais comuns.

04. E quais são os fatores de risco para esse tipo de cefaléia?

Sexo feminino
Abuso de analgésicos
Depressão
Ansiedade
Obesidade
Consumo exagerado de cafeína

05. O que é enxaqueca transformada?

Dores de cabeça em caráter diário ou quase diário (mais de 5 vezes por semana) que podem ter evoluído de uma enxaqueca de manifestação episódica. É exatamente isto! A enxaqueca que se apresentava em crises intensas, mas com intervalos sem dor, passa ao longo do tempo a se apresentar todos os dias! Muitos pacientes apresentam a dor diária sem aquelas características associadas (tais como enjôo, vômitos, intolerância à claridade, ruídos e odores) da crise de enxaqueca ou com estes sintomas revelando-se de intensidade mais leve e chamando menos a atenção do paciente. Essa dor diária assemelha-se, em termos de apresentação clínica para o paciente e para o médico, a uma dor de cabeça do tipo tensional e freqüentemente confunde o médico não acostumado, fazendo-o pensar em uma dor de cabeça puramente do tipo tensional. Entretanto, e isto deve ser mais uma vez enfatizado, a própria enxaqueca quando evolui para apresentação diária, perde várias de suas características e assume uma intensidade mais leve com menos sintomas associados.

06. Qual a diferença entre a enxaqueca comum e a enxaqueca transformada?

A enxaqueca comum é esporádica, ocorre apenas algumas vezes por mês ou algumas vezes por ano. Ela geralmente é intensa e se acompanha de náuseas ou vômitos, fotofobia e fonofobia, piora com atividade física rotineira como caminhar ou subir escadas e geralmente melhora com o uso de analgésicos como antiinflamatórios e triptanos. Já a enxaqueca transformada é uma cefaléia crônica, ocorrendo quase todos os dias, menos intensa e que não responde aos analgésicos, podendo inclusive ser induzida ou piorar com o uso frequente e crônico de analgésicos.

07. Há necessidade de algum exame de imagem da cabeça?

Somente 1% dos pacientes que tem cefaléia crônica com exame neurológico normal vão apresentar algum problema importante na cabeça e somente 1 em cada 1000 pacientes terá alguma doença tratável cirurgicamente. Portanto, exames de imagem devem ser evitados, principalmente a tomografia de crânio, que tem uma dose elevada de radiação.
Alguns sinais ou bandeiras vermelhas são tidos como razões para solicitação de exames de imagem ou investigações mais aprofundadas em pacientes com cefaléia:
• Cefaléia iniciando após os 50 anos de idade (tumores, arterite temporal).
• Cefaléia intensa de início súbito (hemorragia subaracnóide, encefalopatia hipertensiva).
• Aumento da freqüência e da severidade das cefaléias (tumores, outras lesões em massa).
• Cefaléia em pacientes com fatores de risco para HIV (linfoma primário do sistema nervoso, neurotoxoplasmose, meningite criptocócica e outras doenças oportunistas).
• Cefaléia em pacientes com câncer (metástases meníngeas ou parenquimatosas).
• Cefaléia acompanhada de febre e rigidez de nuca e confusão mental (meningites, encefalites, abscessos).
• Presença de secreção nasal purulenta e sinais de gripe (sinusite)
• Presença de hipertensão arterial (encefalopatia hipertensiva, AVC isquêmico ou hemorrágico, feocromocitoma).
• Presença de papiledema (tumores, neurite óptica, hipertensão intracraniana benigna).
• Presença de hemorragia sub-hialóide da retina (hemorragia subaracnóide).
• Presença de paralisia do III par (aneurisma de comunicante posterior, herniação de uncus incipiente).
• Ausência de reflexos fotomotor e consensual (neurite óptica).
• Presença de oftalmoplegia (fístula carótido-cavernosa, síndrome de Tolosa-Hunt, tumores da órbita).
• Presença de outros sintomas neurológicos focais como hemiparesia, afasia, ataxia, dismetria, ausência do reflexo córneo-palpebral, etc (lesões em massa).
• Presença de neurofibromas (tumores intracranianos da neurofibromatose)
• Cefaléia no contexto de trauma de crânio (hematomas, infecções).

08. Qual o tratamento da cefaléia crônica diária?

A primeira e mais importante medida é parar de tomar todos os analgésicos. As únicas medicações permitidas para o alívio da dor são os AINE. No início as dores vão piorar, mas após alguns dias os pacientes já notam melhora significativa da frequência e severidade da dor de cabeça. Concomitantemente, os pacientes devem usar uma medicação preventiva de dor. Os antidepressivos tricíclicos, alguns anticonvulsivantes e a toxina botulínica são os medicamentos mais eficazes na prevenção de recorrência das dores.

09. Quais as complicações dos pacientes não tratados e diagnosticados adequadamente?

Piora da qualidade de vida, depressão, ansiedade por achar que tem uma doença grave na cabeça e perda de produtividade no trabalho ou escola. Portanto, se o telespectador tiver 3 ou mais cefaléias por semana, tomar analgésicos quase todos os dias para dor de cabeça ou a dor estiver ficando cada vez pior, procure um neurologista rapidamente.

10. Quais os seus conselhos para os pacientes que sofrem desse tipo terrível de cefaléia?

Parar imediatamente o uso abusivo de analgésicos para a dor.
Procurar um neurologista de confiança para iniciar um tratamento preventivo eficaz
Implementar um programa de mudança do estilo de vida que inclui a prática de atividade física rotineira, dieta saudável, perda de peso, sono adequado e técnicas de relaxamento.

5 comentários:

  1. aetriste esa dor de cabesa forte eagente perde ate amemoria e ate agora nao vejo nem uma solusoa por parte dos medicos ea gente cotinua sofrendo eu ja estou ate fora da sosiedade e do convivio famihar de tanta qurises diaria de dor de cabesa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser que um travesseiro irregular, colchão com densidade inapropriada, manias como cruzar as pernas, tudo isso pode gerar uma lesão em nossa coluna em algum componente das vértebras cervicais. Dependendo, você pode experimentar a quiropraxia.

      Excluir
  2. Há 4 dias sinto uma sensação de pressão no alto da cabeça, em menor intensidade na testa e no nariz. Pensei ser sinusite, mas não estou com o nariz congestionado. Hoje esse desconforto se estendeu para um dos ombros. Tenho consulta marcada, mas só pra daqui 5 dias. O que pode ser?

    ResponderExcluir
  3. Estou há 2 meses com esses sintomas, no início achava que se tratava de labirintite porque sentia muita tontura e falta de equilibrio, mas quando realizei todos os exames logo foi descartado essa possibilidade. Há uma semana estou fazendo o tratamento com Antidepressivo tricíclico à noite e paracetamal no máximo 3 vezes por semana. Até o momento ainda não obtive melhora, mas se Deus quiser logo logo o tratamento surtirá efeito!

    ResponderExcluir
  4. A minha neurologista falou que talvez eu tenha Cefaleia Crônica mas para ter certeza pediu uma tomografia. Se eu realmente tiver cefaleia esse exame vai piorar ela??

    ResponderExcluir